Imprimir esta página

CIMLT e Município de Coruche apresentam programação cultural em rede

Até dezembro, a Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT) promove, no âmbito da programação cultural em rede a desenvolver ao longo de 18 meses, sete projetos culturais nos seus 11 municípios. Em Coruche já subiu a cena, dia 6 de julho, no Auditório do Pavilhão Municipal, o espetáculo de teatro infantil “Tejo por um Fio”, produzido pela livraria Aqui Há Gato, seguindo-se o workshop “Estátuas Vivas”, a decorrer de 26 a 29 de julho no âmbito da residência artística Valoriz’arte. Sucedem-se os projetos “A Lezíria a Gostar dela Própria”, a residência artística “Cinema Documental”, a apresentação de “Mosaico”, o atelier “Dançar com… Vindimas” e o workshop de técnica stencil “Arte Urbana”. A CIMLT, que apresentou no dia 18 de junho, no Convento de São Francisco, em Santarém, o Plano de Ação Programação em Rede / Lezíria do Tejo, suporta uma programação orçamentada em 600 mil euros, resultante de candidatura a fundos comunitários.

Com o objetivo de, através da qualificação e valorização turística, promover a dinamização do património cultural enquanto instrumento de diferenciação e competitividade do território, o plano desenvolve-se em três eixos de intervenção, que se replicarão nos 11 municípios: um a executar até final deste ano em torno da temática “Lezíria Imaterial”, outro a realizar em 2022, intitulado “Lezíria 11 x 11”, que contará com um parceiro externo a escolher por concurso público, e um terceiro, denominado “Coordenação”. Os indicadores de avaliação do projeto preveem o aumento do número de visitantes a sítios de património cultural e natural, bem como do número de espetadores de ações culturais e eventos de caráter internacional.

No correr de 2021 será executado o Eixo 1 do plano, denominado “Lezíria Imaterial”, que inclui seis projetos transversais (com execução em todos os municípios) e um projeto que assume a especificidade de cada território concelhio. Neste eixo, onde a quase totalidade das ações decorrerá em espaço público, conjugam-se dois âmbitos: a recuperação de um conjunto de projetos artísticos que vinham a ser consensualizados entre os municípios da região, sendo que os seis primeiros percorrerão todo o território em itinerância, e o sétimo, designado “Mosaico”, que compreenderá ações de caráter mais pontual, mas que contribuem para a riqueza do todo. Coruche iniciou a programação no dia 6 de julho, no Auditório do Pavilhão Municipal, com o espetáculo de teatro infantil “Tejo por um Fio”, produzido pela livraria Aqui Há Gato. A programação prossegue do seguinte modo:


• O workshop “Estátuas Vivas”, a decorrer de 26 a 29 de julho no âmbito da residência artística Valoriz’arte, vocaciona e valoriza os participantes através da arte performativa de estátuas vivas. As inscrições estão abertas até 20 de julho para a residência artística a ter lugar no Núcleo Rural de Coruche. O workshop tem a duração de quatro dias, com carga horária de cinco horas diárias, das 10 às 13 horas e das 15 às 17 horas. A ação culmina no dia 18 de setembro com a apresentação pública do trabalho desenvolvido na Bienal de Coruche, onde cada participante será desafiado a representar uma personagem diante da população;


• O projeto “A Lezíria a Gostar dela Própria”, do realizador Tiago Pereira, sustenta-se na recolha oral de testemunhos, predispondo para a construção da alfabetização do escutar e consciencializando-nos para a importância de um património vivo e muitas vezes esquecido de tradição oral - cantigas, romances, contos, práticas sacro-profanas, música, dança e também gastronomia. Tiago Pereira e o músico Sílvio Rosado criam um espetáculo de cinema e performance que será dado a conhecer ao público no dia 17 de agosto, pelas 21h30, no pátio do Museu Municipal de Coruche;


• A residência artística “Cinema Documental”, subordinada ao tema “Respirar Arte com Sustentabilidade”, é dedicada a um público jovem e tem como objetivo contribuir para a criação de um arquivo audiovisual sobre um tema do património cultural material ou imaterial relevante do município. O projeto capacita para a aquisição e desenvolvimento de competências, contribuindo para a eliminação de discriminações e assimetrias através de práticas artísticas e culturais, bem como para o aumento dos sentimentos de pertença na comunidade. A residência artística decorre de 13 a 17 de setembro, das 10 às 13 horas e das 15 às 17 horas, no Museu Municipal de Coruche. Inserida no âmbito da Bienal de Coruche, a apresentação pública dos trabalhos finais está marcada para o dia 25 de setembro, às 21h30, no pátio do museu;


• O projeto “Mosaico” pretende valorizar ações que potenciem as linhas de força mais específicas e relevantes do território, justapondo propostas, de forma a criar um desenho conjunto que reforce a identidade da Lezíria. Serão, pois, selecionadas iniciativas no campo das artes performativas e não performativas, nomeadamente arquitetura, artesanato, artes de palco, artes visuais, design, cinema, literatura, artes digitais e novos media digitais. “Mosaico” será apresentado no âmbito da Bienal de Coruche, na Frente Ribeirinha, de 18 de setembro a 5 de outubro;


• O atelier “Dançar com… Vindimas”, que decorre de 27 a 30 de setembro no Jardim 25 de Abril, toma a forma de residência artística intensiva ao longo de uma semana que culminará com uma apresentação pública vinculada ao tema “As vindimas”. A partir de vivências, expressividades, emoções e criatividade pretende-se desenvolver e aprimorar possibilidades de movimento, descobrindo novos espaços e formas, superando limitações para enfrentar novos desafios. A promoção, a inovação e a experimentação artística facilitam a dinamização de estratégias de inclusão social;


• O workshop de técnica stencil “Arte Urbana”, a ter lugar no Posto de Turismo de 9 a 13 de novembro, concretiza a criação de intervenções artísticas a partir da arte do stencil, cuja técnica assenta na estampagem por meio de um desenho já recortado - arte que teve origem na China juntamente com a invenção do papel no ano 105 d.C.

 

A programação aposta na capacidade criativa e artística do território, com envolvimento de agentes culturais locais, tendo ainda por objetivos a promoção do emprego e a valorização de atividades associadas. As ações acontecem sobretudo em espaços públicos, nos centros urbanos e históricos de cidades, vilas e aldeias, maximizando as potencialidades de monumentos e centros urbanos, e fortalecendo a atratividade turística através da valorização de vivências culturais identitárias. Na visão da CIMLT para o Plano de Ação Programação em Rede / Lezíria do Tejo, as intervenções preconizadas irão contribuir definitivamente para a dinamização e promoção do património cultural enquanto instrumento de diferenciação e competitividade dos territórios, particularmente através da cultura e das artes.

Fazer descarga de anexos: