Saltar para o conteúdo principal

Município de Coruche contra extinção do SUB - Serviço Básico de Urgência

Município de Coruche contra extinção do Serviço de Urgência Básico (SUB) 

No dia 20 de Novembro, foi publicado o despacho n.º13427/2015 do Gabinete do Ministério da Saúde, que prevê a revisão da arquitetura da rede de urgências.

Por força deste despacho é revogado o despacho 5414/2008, o que significa um novo mapa de rede de emergência traduzido na eliminação de 11 serviços de urgências num prazo de seis meses;

Este despacho em nada irá interferir com  o atual funcionamento do Serviço de Atendimento Permanente (SAP) que existe atualmente (centro de saúde e urgências);

A autarquia pretende tranquilizar a população uma vez que não está em causa, até à data, qualquer encerramento ou modificação no SAP de Coruche, nem no horário de 24h que é atualmente prestado à população; 

Quanto ao despacho em causa, que se refere exclusivamente ao SUB, foi com surpresa que a Autarquia se deparou com esta decisão, que ignora todos os estudos anteriores, além de  ignorar as características de um concelho considerado prioritário (ao nível das características demográficas, geográficas, acessibilidade e de carência na área da saúde) sem qualquer aviso prévio ou negociação com os representantes da população e feito à revelia da Ordem dos Médicos;

A eliminação do SUB de Coruche da rede nacional de urgência e emergência representa um enorme retrocesso não só em relação a 2008, ano em que se identificou esta necessidade premente para a população do sul do distrito de Santarém, mas também em relação ao ano de 2012 em que foi, uma vez mais, considerado fundamental pela  Comissão Técnica, a criação de um novo serviço de urgência básico em Coruche, assegurando que nenhum utente ficaria a mais de 60 minutos de um ponto de emergência.

Nesse sentido, foi efetuado um plano de execução e requalificação que envolveu um investimento em estruturas físicas e equipamentos, bem como deveria ter envolvido a afetação, qualificação e redistribuição de recursos humanos; 

A Câmara Municipal comparticipou as obras mas a infraestrutura nunca chegou a funcionar por falta de recursos humanos e meios de diagnóstico; 

Por fim, em relação ao SUB, a autarquia está ao lado da população e irá aclarar junto do Ministério da Saúde o que pretende fazer em relação a este despacho solicitando uma reunião reiterando a necessidade deste serviço.    Continuaremos a reivindicar  a concretização da abertura do SUB e consequente revogação deste despacho emanado por um governo em gestão, e que assim defrauda as expectativas legitimas da população que há muitos anos luta para ter este serviço a funcionar cumprindo o objetivo de servir o concelho de Coruche e concelhos limítrofes do sul do distrito. 

voltar ao topo